Home
Diretoria do Sinterpar
Página inicial
Comunicado sobre a Gripe H1N1
Relato de Ocorrência H1N1(Gripe Suina)
Notícias
Contato
Legislação, CCT"S
Homenagens
Fundação
Membros
Links
Tornar-se membro
Links Favoritos
Proposta de Negociação.
Banco de Horas
Comunicado
Auxiliar de Radiologia
Eventos
Relação de documentos obrigatórios para Homologação
Nova página
Nova página
 


SINTERPAR: SINDICATO DOS TÉCNICOS EM RADIOLOGIA DO PARANÁ.

 ABERTO PARA TODOS OS PROFISSIONAIS DAS TÉCNICAS RADIOLÓGICAS DO PARANÁ E DO BRASIL,E OUTROS INTERESSADOS.
LOCALIZAÇÃO:TRAV.ITARARÉ,43.2°ANDAR.CONJ 25.CENTRO-TELEFONE/FAX:(41)3222-2741, CEP:80060-040-CURITIBA-PR.

DIRMA -  DIRETORIA DE MARCAS

Processo: n°828.876.460 de 04/12/2006, marca "SINTERPAR"

INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial.Protocolo n° 810090221693, data 27/07/2009.


SIGA NO FACEBOOK - SINTERPAR.
E-mail:delvignacido@ig.com.br
E-mail:sintecra@terra.com.br

DIRETORIA:
PRESIDENTE:CIDO DEL VIGNA
VICE PRESIDENTE:VAGNER CANDIDO DA SILVA
SECRETARIO GERAL: RAIMUNDO MIGUEL HERCULANO
TESOUREIRO:ELIZIO DE SOUZA NETO
ACESSORIA SINDICAL: RENATA
DEPARTAMENTO JURIDICO:
DR.JOELCIO FLAVIANO NIELS


COMUNICADO EM FACE DA CCT 2016/2017
 
O Sindicato dos Técnicos em Radiologia do Paraná- SINTERPAR, entidade sindical de primeiro grau, cnpj 77167252/0001-34, localizado na travessa Itararé, 43,  2. andar, conjunto 25, Centro, Curitiba, Paraná, informa aos seus representados e ao público em geral o que segue. O Sinterpar esteve presente na tarde de sexta feira (20/05/2016), na  assembléia ocorrida no SINTRACON- SIND DOS TRABS NAS INDS DA CONSTR CIVIL DE CURITIBA,  R. Trajano Reis, 558 - São Francisco, Curitiba - PR, onde a categoria resolveu aceitar a proposta patronal e por fim à greve iniciada no dia 18/05/2016. A negociação deste ano foi atípica e muito mais complicada. Foram realizadas diversas rodadas de negociação. Somente na reunião realizada na DRT é que a patronal ofereceu um índice de reajuste de 6%. Tendo em vista esta postura intransigente foi iniciado o movimento de greve no dia 18/05/2016.  Face a deflagração da greve foi agendado audiência na Justiça do Trabalho. Foi na audiência realizada na Justiça do Trabalho e por força dos argumentos da Desembargadora é que o SINDIPAR resolveu oferecer uma proposta que contemplasse o INPC do período (9,83%).  Porém, este índice seria repassado de forma parcelada: 6% maio/16 e 3,83% em fevereiro/17; esta proposta foi rejeitada pelos trabalhadores presentes. As negociações continuaram no TRT e uma nova proposta foi realizada pelos patrões: 6,83% maio/16 e 3,0% em janeiro/17; esta proposta também foi rejeitada pelos trabalhadores presentes, embora já houvesse uma grande parte dos trabalhadores que se manifestaram favoráveis a esta proposta. Tendo em vista o impasse, a Desembargadora determinou os percentuais de atendimento durante a greve: 100% para os setores de urgência e emergência, 70% para o atendimento domiciliar da FEAES e 50% nos demais setores. Ficou de determinar as penalidades posteriormente caso fosse desrespeitados estes parâmetros. Foi encerrada a audiência na Justiça do Trabalho. Constatando-se a apresentação de uma nova proposta pela patronal e baixa adesão dos trabalhadores à greve (exceto na FEAES - Hospital Zilda Arns, que contava com uma boa adesão dos trabalhadores), foi agendada uma assembléia para o dia 20/05/2016, 15h, nas sede do SINTRACON. Nesta assembléia foi apresentada a nova proposta patronal: 7% maio/16 e 2,83% em janeiro/17 nos salários e pisos; 9,83% em maio/16 nos demais benefícios financeiros; não descontos dos dias parados; estabilidade de 60 dias, possibilidade de revisão e melhoria do acordo em setembro/16 Apesar da dificuldade criada por um grupo de arruaceiros (falaremos deste grupo mais adiante) a Presidente do Sindesc, em conjunto com a mesa diretora do trabalhos, conseguiu encaminhar as propostas e colocar em votação. Pela verificação da mesa diretora constatou-se que a maioria absoluta (cerca de 3/4) dos trabalhadores votaram favoravelmente à proposta de firmar o acordo com a entidade patronal. Diante desta decisão foi realizada uma reunião com a entidade patronal e firmado acordo judicial no dissídio coletivo de greve. Um pequeno grupo de militantes de um determinado partido político conseguiu se infiltrar na categoria da saúde. Se passam por trabalhadores mas tem objetivos políticos. Algumas pessoas deste grupo gozam de estabilidade e, lógico, não se preocupam com as conseqüências que todo trabalhador tem de perder seu emprego. Infelizmente este grupo tem conseguido seduzir alguns trabalhadores. Este grupo  tumultuou todo o processo negocial deste ano. Óbvio que o Sindesc e o SINTERPAR defendem e não colocam óbice às manifestações democráticas,  porém não podem concordar com atitudes violentas, ofensivas e truculentas. Este grupo além dos tumultos que já vinha criando, na assembléia do dia 20/05 resolveu extrapolar em suas atitudes. Tentou impedir que a Presidente o SINDESC encaminhasse a assembléia realizando ofensas verbais e uma algazarra. Mesmo assim a Presidente apesar de incomodada conseguiu conduzir o ato. Insatisfeitos com o resultado este grupo passou a realizar agressões verbais e físicas. Danificaram o patrimônio do  SINTRACON (Porta de entrada e cadeiras), rasgaram as listas de presença e furtaram alguns materiais do SINDESC. Alguns destes fatos estão gravados em vídeos e fotos. Várias pessoas já se dispuseram a testemunhar. Serão tomadas as medidas criminais, cíveis e administrativas cabíveis. Não se pode deixar impune a atuação de vândalos que maculam a imagem das entidades e de seus representantes. Quem acusa tem obrigação de provar. A mesa diretora teve dificuldades de conduzir os trabalhos em face da tentativa desse grupo de impedir a realização da assembléia. Porém, graças a firmeza da mesa diretora a assembléia teve continuidade e os trabalhadores por ampla maioria resolveram aceitar a proposta patronal. Sabemos que tem algumas pessoas ainda tentando confundir a categoria, mas as propostas foram sim colocadas em votação (apesar da balburdia criada pelo mencionado grupo). O que acontece é que os perdedores não satisfeitos com a vontade soberana da assembléia estão tentando reverter uma decisão democrática através do grito e do terror. Cabe frisar que temos verificado a presença constante de pessoas deste grupo desde a negociação de 2014. Naquela oportunidade este grupo agiu de forma ilegal, ofendendo as pessoas que não concordavam com suas opiniões.  Esse grupo é ligado a um partido da esquerda radical que se utiliza de métodos violentos para alcançar seus objetivos. Devemos ter claro que a negociação salarial deve ser conduzido de forma serena e racional. Sempre devemos almejar o que é possível. Toda forma de radicalismo leva a um desequilíbrio nas relações. Devemos entender que a negociação deve servir para melhorarmos nosso salário, mas também visar a manutenção dos empregos, principalmente nestes momentos de grave crise econômica em que vivemos. Sabemos que o acordo ora realizado não é o desejável mais é o possível. Nos últimos anos conquistamos aumento real em nossas negociações. Este ano é peculiar. A crise atinge todos os setores da economia e o perigo de desemprego é real. Verificamos que os acordos realizados com outras categorias têm estabelecido reajustes abaixo do que conseguimos fechar.

Curitiba, 22 de maio de 2016.

Aparecido Del Vigna/Presidente
Raimundo Miguel Herculano/ Secretario Geral                                                

DEPARTAMENTO JURÍDICO/SINTERPAR
PARA: TODOS OS TECNÓLOGOS/TÉCNICOS E AUXILIARES EM RADIOLOGIA DO ESTADO DO PARANÁ.
ASSUNTO: AÇÃO FGTS

O SINTERPAR – Vai cobrar as diferenças do FGTS – FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO, a partir de 1999, dependendo do período em que o trabalhador possui valores depositados na conta do FGTS, a casos em que a diferença da atualização chega a 88,03% do valor do FGTS.
OBS: Os Trabalhadores que já sacaram o FGTS, por motivos de demissão ou aposentadoria também tem direito de receber estas diferenças.

DOCUMENTOS

1 – Comprovante de endereço
2 – Numero de telefone para contato
3 – Cópia do CPF
4 – Cópia do RG
5 – Cópia do PIS
6 – Cópia da CTPS – Carteira de Trabalho, paginas da qualificação, da foto e de todos os contratos de trabalho.
7 – Aposentados: Cópia da carta de concessão de aposentadoria.
8 – Extratos analíticos do FGTS referente a todos os contratos de trabalho anotados na carteira de trabalho.
9 – Assinar Procuração
10 – Assinar Contrato

LOCAL

JURÍDICO DO SINTERPAR – DR. JOELCIO FLAVIANO NIELS.

ALAMEDA JULIA DA COSTA Nº 487 – BAIRRO SÃO FRANCISCO (AO LADO DO SESC DA ESQUINA - ESTAÇÃO TUBO BRIGADEIRO FRANCO).
FONE: (41) 3019-5191
E-MAIL: jfniels@hotmail.com

Horários: Das 09:00 as 18:00 hora de 2ª a 6ª feira.


Observação: Todas as Convenções Coletivas de Trabalho e Termos Aditivos estão disponiveis neste LINK:

http://www.sindipar.com.br/coletiva1.php?empcod=2




























 























Top